POLIFÔNICOS DE 1964: HISTÓRIA ORAL E ESTUDOS CULTURAIS NA AMAZÔNIA PARAENSE

Jaime Cuéllar Velarde

Resumo


O golpe e processo ditatorial civil-militar (1964-85) incitaram consideráveis publicações, ciclos de debates, fóruns, conferências e pesquisas. Esta vasta produção no cenário nacional recebeu, em 2004, uma publicação regional de memórias, privilegiei mapear e analisar sentimentos aflorados daquelas narrativas orais e sobre os quarenta anos do golpe em solo amazônico paraense, intitulada “1964. Relatos subversivos: os estudantes e o golpe no Pará”. A temática provocou-me o interesse por conhecer mais sobre a produção regional e tal qual foi a surpresa ao perceber raras e honrosas produções nesta seara, cujo destaque recai sobre as pesquisas de Pere Petit, com enfoques políticos e econômicos sobre o tema em tela. De posse destas informações, decidi investigar as memórias de sujeitos culturais sobre o golpe e Ditadura Civil-Militar na Amazônia Paraense sob os auspícios dos Estudos Culturais. Compreendendo a História Oral como método de captura e interpretação de memórias, investi na compreensão deste advento a partir de relatos de memórias de oito narradores dissidentes ao regime. Ao estabelecer aspectos identitários dos narradores performáticas por compreender corpo e linguagem como portadores de cultura. Assim, ciente das importâncias dos métodos tradicionais para a compreensão da história, alcancei outra compreensão para os anos de Ditadura Civil-Militar na Amazônia Paraense pautada nas encenações de memórias marginais à historiografia tradicional.

Palavras-chave


Golpe e Ditadura Civil-Militar; Amazônia Paraense; Sujeitos Culturais; Estudos Culturais; Memórias de Dor.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/rcc.v0i11.2881

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2238-9288

NEPeTS - Núcleo de Estudos e Pesquisas em Teoria Social